<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script> <!-- uz_336 --> <ins class="adsbygoogle" style="display:inline-block;width:336px;height:280px" data-ad-client="ca-pub-2659980373728363" data-ad-slot="7334352839"></ins> <script> (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); </script>

Água-viva robótica abre caminho para a reconstrução de corpos humanos

Pesquisadores da Caltech e de Harvard estão fazendo trabalhos interessantes com a bioengenharia de organismos inteiros usando vários tecidos de animais e aplicando-os a materiais sintéticos como silicone. O experimento é a criação de águas-vivas sintéticas, criadas a partir de células cardíacas de ratos e silicone.

Os pesquisadores imprimiram um tecido feito de proteína na membrana de silicone, que se assemelhava à arquitetura de um músculo animal real.O padrão proteico serviu como um mapa para o crescimento e organização para o tecido, que manteve a habilidade de contração - resultando em um músculo pulsante.

A criação foi apelidada de Medusoid. Os pesquisadores ressaltam que o movimento de pulsação da água-viva imitam a pulsação do coração humano, e pode levar à criação de marcapassos feitos de elementos biológicos. John Dabiri, professor de Aeronautica e Bioengenharia na Caltech, disse:

"Estamos re-imaginando o quanto nós podemos fazer em termos de biologia sintética. Muitos trabalhos atualmente são feitos para estruturar moléculas, mas há muito pouco esforço para estruturar organismos. Acredito que isso é um bom vislumbre do futuro da re-engenharia de organismos inteiros"

https://youtu.be/2spbFpzyiJ0

Dabiri continua:

"Eu estou agradavelmente surpreso com como nós estamos chegando perto de acertar a performance biológica natural, mas também estamos achando formas de melhorar a performance natural. O processo de evolução perdeu muitas boas saídas".

Pois é, essa última declaração parece que saiu direto de um filme de terror, Victor Frankenstein style total. "Evolução não é boa o bastante. Nós faremos melhor!" *risada maníaca e raios ao fundo*

Os pesquisadores pretendem adicionar um cérebro rudimentar e capacidades de se alimentar aos Medusoids, assim eles podem viver por anos no mundo lá fora. Pode não ser o começo do apocalipse zumbi, mas certamente alguma coisa na linha de Aranhas Malditas, talvez?

Fonte: ZRS