<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script> <!-- uz_336 --> <ins class="adsbygoogle" style="display:inline-block;width:336px;height:280px" data-ad-client="ca-pub-2659980373728363" data-ad-slot="7334352839"></ins> <script> (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); </script>

Os 5 tipos de zumbis pelo mundo

A palavra e o conceito zumbi ficaram mundialmente conhecido graças ao cinema americano. O filme “Night of the Living Dead” do aclamado diretor George A. Romero foi o pioneiro a mostrar o morto-vivo que conhecemos hoje em dia, mas esses não são o único tipo de zumbi. Recentemente falamos sobre o "corpo-seco", um tipo de zumbi brasileiro que é famoso na região centro-oeste e no interior dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Agora você ira conhecer outros zumbis de acordo com a mitologia local.'



Zumbi Haitiano



Esse é o tipo mais conhecido dessa lista e já fizeram até parte do filme White Zombie (1932), o primeiro filme que falou sobre zumbis no mundo. Os zumbis haitianos são escravos descerebrados. Eles não têm autoconsciência e não chegam a representar perigo, a não ser que comam sal, o que restaura seus sentidos.

Zumbi Escandinavo


O nome mais comum da criatura em islandês antigo é draugr, e um de seus apelidos deixa claro o que a criatura fazia: “aptranga, traduzindo “aquele que caminha depois” (da morte). Segundo as crenças da Escandinávia medieval, havia duas maneiras de se transformar nesse zumbi. O mais comum eram pessoas desagradáveis, malvadas e gananciosas se transformarem depois da morte. Porém, assim como o zumbi americano que conhecemos, existe uma maneira de transmitir pela mordida do draugr.

Zumbi Árabe


Talvez você nunca tenha percebido, mas na coletânea de contos “As mil e uma Noites” contém uma menção a uma criatura que, em muitos idiomas acabaria virando sinônimo de zumbi: o ghúl. Literalmente, ghúl quer dizer “demônio” e eles não são exatamente cadáveres reanimados, mas criaturas que se alimentam da carne dos vivos e dos mortos e podem assumir a identidade dos que devoraram. Eles frequentam cemitérios e também podem ser encontrados em desertos, onde assume a forma de uma hiena.

Zumbi da América Andina


Na cultura do mapuches - um grupo indígena do Chile e da Argentina - existe um tipo de zumbi criado por feiticeiros malévolos: o anchimayen ou anchimallén. Eles são nada mais que o corpo de uma criança pequena que morreu de repente, cujos ossinhos são reanimados pelo calcu, o necromante mapuche. A criatura zumbi é então alimentada por sangue humano, embora também goste de leite e mel, a criança zumbi emite um choro de recém-nascido e é capaz de emitir uma luz intensa e fantasmagórica.

Zumbi Tibetano



Há quem diga que, além dos zumbis haitianos clássicos, os zumbis do Tibete são os mais parecidos com os mortos-vivos americanos que tanto conhecemos. Essas criaturas são chamadas de ro-langs e são tão descoordenados e acerebrados que a precaução mais comum na zona rural do Tibete era construir casas com as portas baixas, pois esses zumbis são incapazes de dobrar o corpo.