<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script> <!-- uz_336 --> <ins class="adsbygoogle" style="display:inline-block;width:336px;height:280px" data-ad-client="ca-pub-2659980373728363" data-ad-slot="7334352839"></ins> <script> (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); </script>

3 crianças memoráveis do Cinema Zumbi

Para marcar este Dia das Crianças, reuni 3 personagens infantis ( + uma menção honrosa) de filmes de zumbi que representam 3 formas diferentes de retratar crianças em um mundo afetado pela epidemia desmorta.


  • Karen Cooper, de Night of the Living Dead (1968)
A icônica menina-zumbi do primeiro filme de Romero, a pedra fundamental das Crianças Desmortas dos filmes de zumbi. Karen foi deixada no porão por seus pais para que estivesse em segurança... Depois o tiro saiu pela culatra para o casal Cooper.
Karen não tem falas ou longos minutos de tela, mas cumpre a função de fazer o espectador se situar definitivamente no mundo da história - caso você ainda não estivesse convencido de que aquele é um mundo sem salvação, eis aqui um ser que já foi uma criança, mas agora é capaz de coisas terríveis.
Karen foi interpretada por Kyra Schron, que nunca foi atriz (nem nunca quis ser) e só apareceu no filme porque era filha de Karl Hardman, intérprete de Harry Cooper e também investidor do filme. Tudo isso porque o orçamento era apertado e todos os atores eram amigos ou investidores ou estavam recebendo muito pouco por aquilo. Schron apareceu porque eles precisavam de uma menina, Hardman tinha uma filha e ninguém precisava pagar nada por isso. Atualmente, ela é professora de artes em Pittsburgh e escreve para o Dread Central, site sobre horror.
Sua influência como a primeira criança transformada em zumbi é inegável. Karen Cooper está em cada zumbizinha que pega um ursinho no chão ou volta com seus patins cheios de sangue para atacar vizinhos burros que não trancam portas antes de dormir.
Seria tocante... Se não fosse preocupante - vide a festa de princesa que terminou beeem mal em Zombieland (Mas, bom, eu ri).
É o símbolo de que ninguém está protegido da praga - nem as crianças, usualmente protegidas da morte por várias peças de ficção.

  • Baby Selwyn Matheson, de Braindead (1992)
Ele não é beeem uma criança, mas é como se fosse. Em um filme que contou oficialmente com 5 marionetistas, uma marionete de bebê zumbi é como se fosse uma criança (só que a "atuação" dependia de 2 atores).
Baby Selwyn deu todo um novo significado ao termo Infant Terrible... Toda vez que eu vejo alguém atacando o bebê endiabrado de Z Nation, eu fico pensando se ele não era só uma alusão ao Selwyn - até porque nem todo mundo tem que seguir o roteiro do remake de Madrugada dos Mortos para tratar de bebês-zumbi. Baby Selwyn não só era feio igual o cão, como também protagonizava uma série de cenas hilárias e grotescas.
Se o Simius Ratticus tivesse mordido a Araci Balabanian, o vírus zumbi tivesse se espalhado pelo Arouche e tivesse rolado um Canguru Perneta entre Caco e Magda zumbificados, Baby Selwyn seria o resultado - nascido um dia depois do Canguru, aliás. [Para quem não viu Sai de Baixo, Caquinho era o filho de Caco e Magda e ele era um boneco articulado falante em suas primeiras aparições. Depois foi trocado por um gurizinho]
Baby Selwyn é, claro, uma paródia levada ao extremo. Mas ele não parodia um tipo qualquer de criança-zumbi, pois personagens como ele nunca tiveram uma chance de ser vivos. Ao contrário de Karen, que é a criança contaminada e traz todo o horror da consciência humana perdida, bebês desmortos praticamente nunca estiveram vivos e representam, em última instância, a morte de qualquer esperança humana em uma nova geração mais forte, como se pode ver nos exemplos trazidos pelo remake de Madrugada dos Mortos.

  • Timmy Robinson, de Fido (2007)
Timmy é bem incomum, porque não é todo dia que vemos um zumbi e seu garoto por aí e a coisa dá certo. Timmy é um menino realmente adorável e dá vontade de protegê-lo até depois da morte.  E quando o guri trata bem até os zumbis, não fica difícil gostar dele.
Claro que o universo onde o filme se passa é fundamental para que isso dê certo, tanto em Fido como em Smush! (Curta derivado do filme Deadheads, que traz a história do zumbi Cheese e uma garotinha), mas ambos casos trazem outro fator muuuuito importante sobre essas crianças e seus zumbis: O amor.
E provavelmente um potencial de aprendizado (por parte dos zumbis) muito maior. Não que isso tenha ajudado em Land of the Dead, mas eles deixaram o Simon Baker viver, né? (Mesmo ele não sendo mais criança há bastante tempo) Já é alguma coisa.
O importante é que, em casos como o Timmy, as coisas sempre terminam com um arzinho mais otimista. Tanto quanto se pode ser otimista, acredito.


Menção honrosa:

  • Tony Block, de Planeta Terror (2007)
Interpretado por Rebel Rodriguez, filho do diretor, Tony é a criança responsável por uma cena que me fez ficar "Ele não vai fazer isso"... Só que Robert Rodriguez fez isso.  E por "isso", eu quero dizer... Bom, melhor não dizer.
A decisão do diretor foi bastante ousada, porque crianças costumam escapar do Algoritmo da Morte. Por isso mesmo que Rodriguez usou o próprio filho para o personagem, porque ele não queria expor o filho de outro pessoa a uma cena daquelas (Afinal, por que traumatizar o filho dos outros quando você pode traumatizar o seu próprio?). Brincadeiras à parte, é uma atitude bastante responsável.
Tony está entre aqueles personagens infantis com um destino bem ruim, mas provavelmente não tão ruim quanto virar um zumbi. Até porque nem todas as crianças podem ser "crianças de elite", como a Little Rock.
Por falar em Zombieland, adivinha qual outra criança também teve um destino bem ruim mas possivelmente não a zumbificação?